terça-feira, 8 de janeiro de 2013

“Como nos tornamos cruéis quando temos licença.”


Esta frase brotou do coração de um poeta alemão, oficial nazista desiludido com as atrocidades no Terceiro Reich. O filme canadense O Poeta – 2007 drama que retrata o amor entre este mesmo oficial e uma jovem judia. Um belo filme que mais uma vez trás à nossa mente as crueldades do FÜHER; o que sempre é oportuno para nos manter em estado de alerta e ainda nos presenteia com emblemática frase – “Como nos tornamos cruéis quando temos licença”. Amigos, trago esta frase para nossa reflexão e me arrisco a me apropriar da estrutura da mesma para cunhar outra frase não menos oportuna: Como nos tornamos corruptos quando temos poder. Da mesma forma que aquele oficial da ficção juntamente com sua mãe se perguntam o porquê de tamanha crueldade nós hoje longe de qualquer ficção lutamos para entender o porquê de tanta corrupção atrelada ao poder. É bem verdade que ainda hoje vemos a crueldade desmedida daqueles que tem licença, mas também é verdade que num crescente sem precedente a corrupção nos corredores do poder pelo mundo afora ultrapassa todos os limites inimagináveis.  Na ficção o oficial tem, ainda que à custa de muitas vidas a oportunidade de se afastar daquela crueldade com sua amada. Diferentemente, na vida real, numa sociedade que não consegue mais prescindir do Estado, jamais conseguiremos nos livrar da corrupção atrelada ao poder. Que triste sina! Caros, sempre achei que a indignação é sempre confortante e a depender do grau chega a apresentar resultados visíveis. Se não ficamos indignados tudo está perdido ainda que não estejamos coniventes. Que a indignação trás resultados não tenho dúvidas. Assistimos nestes últimos dois meses o desfecho do julgamento do mensalão pelo STF. Acredito sinceramente que pesou e muito a indignação popular na decisão dos senhores ministros. Coube ao ministro Joaquim Barbosa conduzir magistralmente aquele julgamento. Do STF para a história. Vossas excelências mostraram que não é verdade absoluta o binômio Poder – Corrupção. Oxalá nossos filhos daqui a alguns anos se lembrem deste julgamento com divisor de águas. Que a história inspire algum poeta a cunhar outra frase não menos emblemática: Como nos tornamos mais honestos porque temos poder!

Nenhum comentário:

Poverello de Assis

Oração de são franscisco



Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz !Onde houver ódio, que eu leve o amor, Onde houver ofensa, que eu leve o perdão, Onde houver discórdia, que eu leve a união, Onde houver dúvidas, que eu leve a fé, Onde houver erro, que eu leve a verdade, Onde houver desespero, que eu leve a esperançaOnde houver tristeza, que eu leve a alegria, Onde houver trevas, que eu leve a luz. Mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado, compreender que ser compreendido, amar que ser amado, Pois é dando que se recebe é perdoando que se é perdoado e é morrendo que se vive para a VIDA ETERNA !


Esta oração foi feita após o pedido de clemência do papa Inocêncio III "arrependido" pelas cruzadas e muito enfermo. Francisco, duvidando de seu arrependimento, fora chamado a atenção pelo Pai pedindo piedade ao agonizante. São Francisco atendeu o pedido, admitindo humildemente sua ignorância.

Às vezes nos limitamos a reclamar da vida - vejam um exemplo de superação.

Loading...
Ocorreu um erro neste gadget