sábado, 17 de maio de 2008

Um deus que nos governa...

Pasmem amigos, esta semana, vendo um telejornal à noite dava-se a seguinte notícia: os asilos da Bahia estão em estado de calamidade por falta de recursos do Estado para mantê-los dignamente. Na reportagem dizia-se que o governo insistia em remunerar as institituições que acolhem os velhinhos a razão de – ATENÇÃO! –R$41,60 por mês por idoso. Resultado; em muitos asilos onde se abriga também e indevidamente doentes mentais esta faltando comida. Isso mesmo, estão passando fome! O reporter chamava a atenção para os demais recursos que faltavam; recreação, remédios, assistência médica e por aí vai. Ao final da reportagem, eu e minha mulher ficamos por algum tempo discutindo sobre esta notícia e invariavelmente nos veio à mente a lembrança de outra notícia igualmente estarrecedora e que na época revoltou muito Brasileiros. Para se manter “dignamente” um preso gasta-se até – ATENÇÃO! NOVAMENTE! – R$1500,00. Vou repetir para gravar: R$1500,00. Seria leviano quem reconhecesse os avanços na área social feito neste governo – eu nunca votei Nele e jamais votaria – mas Ele tem suas qualidades. Também é verdade que quase sempre está mal acessorado – lembremos os Delúbios, Dirceus e os Válérios entre outros tantos. Mas vamos ao que interessa. Num país com salário mínino de aproximadamente R$ 420,00 – milhões de trabalhadores saem de casa de madrugada, dão duro o dia todo, pegam até três conduções, se alimentam mal e ao final do mês recebem em média, com os decontos, em torno de R$370,00. Se eu usasse a frase “Que País é Este?” muitos iriam me acusar de plágio mas não vejo outra pergunta. Um país que vira as costas para seus cidadãos idosos que trabalharam anos e anos honestamente; que vira as costas para os doentes mentais não lhes dando condições dígnas de tratamento e que se vangloria do salário mínimo de US$270.00 que ao final do mês se transforma em US$200.00 quando o valor da cesta básica é de R$222,24 e ainda tem a audásia de se considerar em desenvolvimento. Este mesmo país que recebeu nos últimos dias o título “investiment grade” – grau de investimento – de uma agência a serviço dos de fato ricos! Não sei se estou pessimista demais ou se já dou sinal de envelhecimento precose. Sinceramente penso que não se trata nem de uma coisa nem de outra, estou mesmo é indignado com a falta de Amor Político dos nossos governantes. Vejam, a expressão Amor Politico me veio à mente porque sempre que vejo o sofrimento de um ser humano provocado por outro ser “humano”, me lembro de Jesus o Filho de Deus. Ele que é visto por alguns somente como Político e no pior sentido da palavra, soube viver intensamente o Amor ao fazer Política. Na medida que se expos, que lutou, que denunciou, que partilhou e ensinou a partilhar, que insistiu em que todos tem sim direito a uma vida dígna e aqui na terra – não em outra vida. Será que assistiremos alguma mudança radical ainda nesta geração? Se nem um deus chamado Lula esta conseguindo dar uma jeito, quem poderá fazê-lo? Verdade, tá mais do que provado que deus governa nosso país. Somente um país administrado por um deus chamado Lula tem um povo – a plebe - que aceita pacificamente que nas mãos de 10% mais ricos se concentre 75% das riquezas deste mesmo país. E quando falo pacificamente é para lembrar os irmãos idosos da Bahia – abandonados por sua famílias, como aquela velhinha de 102 anos que com muita lucidez dizia ao reporter: “eles sabe que eu tô aqui mas não liga não, liga não!”. Ninguém saíu em defesa daqueles brasileiros e brasileiras miseráveis tratados como lixo. Ontem o reporter não mostrou nenhuma ONG de direitos humanos ou alguma sucursal da OAB clamando por ajuda ou ameaçando processar alguém. Que aqueles que porventura sejam privados de liberdade para pagar pelos crimes que cometeram, devam ser tratados com dignidade não discutimos, o que é inadmisível é viramos às costas para os que tanto trabalharam para que este mesmo país chegasse onde chegou. Ainda está vivo em minha memória o que vi e ouvi recentemente quando pude visitar alguns hospitais e sanatórios no Rio de Janeiro. A decadência do modelo político administrativo imposto aos cidadãos onde impera a inversão dos valores, das prioridades e da ética. Em fim, nos resta clamar aos céus por um novo deus que nos governe com clemência e equidade ou arregassarmos as mangas e berrarmos na direção dos tantos palácios de governo espalhados pelo Brasil afora. O que vamos fazer?

Nenhum comentário:

Poverello de Assis

Oração de são franscisco



Senhor, fazei-me instrumento de vossa paz !Onde houver ódio, que eu leve o amor, Onde houver ofensa, que eu leve o perdão, Onde houver discórdia, que eu leve a união, Onde houver dúvidas, que eu leve a fé, Onde houver erro, que eu leve a verdade, Onde houver desespero, que eu leve a esperançaOnde houver tristeza, que eu leve a alegria, Onde houver trevas, que eu leve a luz. Mestre, fazei que eu procure mais consolar que ser consolado, compreender que ser compreendido, amar que ser amado, Pois é dando que se recebe é perdoando que se é perdoado e é morrendo que se vive para a VIDA ETERNA !


Esta oração foi feita após o pedido de clemência do papa Inocêncio III "arrependido" pelas cruzadas e muito enfermo. Francisco, duvidando de seu arrependimento, fora chamado a atenção pelo Pai pedindo piedade ao agonizante. São Francisco atendeu o pedido, admitindo humildemente sua ignorância.

Às vezes nos limitamos a reclamar da vida - vejam um exemplo de superação.

Loading...
Ocorreu um erro neste gadget